gerb ministry
Russian
Русский
English
English
French
Français
Spanish
Español
German
Deutsch
Italian
Italiano
Portuguese
Português
український
Україн
Kazakh
Қазақша
Chinese
中文
Arabic
ﺔﻴﺑﺮﻌﻟا
Mongolian
Mонгол
Vietnamese
Tiếng Việt
Moldavian
Moldov
Romanian
Română
Türkçe
Türkçe
Главная страница О проекте Карта портала Полезные ссылки Авторизация

Atalho para estrangeiros, caminho tortuoso para brasileiros

23.07.2013 17:41
Programa que facilitará entrada de médicos estrangeiros no país também permitirá que brasileiros graduados em universidades fora do Brasil exerçam a profissão sem revalidar diploma, mas apenas por três anos, o tempo de duração do projeto. Na Rússia, destino de centenas de estudantes de medicina brasileiros, universitários comentam as medidas.

Para muitos dos brasileiros que se mudam para a Rússia para cursar medicina em universidades do país, a formatura e o retorno para casa podem significar o começo de um processo quase tão desgastante quanto os vários anos de estudo: a revalidação do diploma no Brasil.

Em 2009, o goiano Anatole de Carvalho retornou ao Brasil com seu diploma da Universidade Russa da Amizade dos Povos, de Moscou. Foram dois anos até conseguir revalidá-lo por meio de um exame aplicado pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, no final de 2011.

Em 2012, Carvalho iniciou residência médica em ortopedia e traumatologia em um hospital de Itajaí, em Santa Catarina.

"Naquela época, o processo não tinha um tempo determinado, e as taxas [cobradas pelas instituições federais que aplicavam as provas] variavam bastante. Levava muito tempo e nunca sabíamos quando o resultado ia sair. Fiquei bastante decepcionado", conta Anatole. "Com o Revalida, melhorou bastante."

Criado em 2011 e aplicado em 37 instituições federais de ensino, o Revalida (Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos) unificou o processo. Agora, uma prova anual é realizada em duas etapas: a primeira com questões objetivas e discursivas e a segunda com uma avaliação de habilidades clínicas.

Porém, as altas taxas de reprovação do exame, que chegam a 90%, colocaram-no no centro do debate após o lançamento pelo governo federal do programa "Mais Médicos", no último dia 8. A iniciativa busca levar profissionais para a rede pública de saúde de áreas distantes dos grandes centros urbanos brasileiros, onde há carência de mão de obra.

Sem Revalida

Médicos estrangeiros e brasileiros formados no exterior não terão de se submeter ao Revalida para se candidatar ao programa. O primeiros terão de provar proficiência na língua portuguesa. Segundo o governo, será dada preferência a médicos formados no Brasil.

Mas sem o exame de revalidação um brasileiro graduado em uma universidade estrangeira e aprovado no "Mais Médicos" não terá o direito de exercer atividades fora do projeto, que dura três anos. De acordo com o governo, os aprovados receberão inscrições provisórias nos Conselhos Regionais de Medicina para trabalhar.

Associações médicas brasileiras se posicionaram contra a medida. Para o primeiro-secretário do Conselho Federal de Medicina, Desiré Callegari, trata-se de uma "gambiarra" que prejudicará tanto os brasileiros formados no exterior quanto os estrangeiros.

"Com o término do contrato, o que esse médico vai fazer? O Revalida é um exame sério. Em qualquer lugar do mundo se faz uma prova do tipo", diz Callegari.

Uma resolução do Conselho Regional de Medicina de São Paulo do dia 2 de julho estabelece que médicos graduados no exterior deverão apresentar o diploma revalidado para obter seu registro profissional no Estado de São Paulo.

Damasio Figueiredo, que estudou medicina na Rússia de 2007 a 2011, quando se transferiu para uma universidade na Itália, acredita que estrangeiros e brasileiros devessem ser submetidos ao exame.

"Deveria ser feito um exame igual para todo mundo, seja para quem é formado no país ou para quem vem de fora, assim como nos Estados Unidos, na Espanha e na França", diz Figueiredo. "Existem bons e maus alunos em todos os lugares", completa.

Ressalvas

Mesmo com a possibilidade de trabalhar no Brasil sem ter de fazer uma prova considerada difícil, o universitário Arthur Mota, também da Universidade Russa da Amizade dos Povos, vê a iniciativa com ressalvas. Ainda em Moscou, ele deve se formar em julho do ano que vem. Mas diz querer voltar à terra natal -o custo de vida elevado e a remuneração dos profissionais russos estão entre os motivos.

"Não acho que vai mudar muita coisa. Creio que isso vai criar um racha entre os médicos brasileiros formados no país e os que vêm de fora. Com isso, quem perde é a população que depende desses médicos. Boa parte das pessoas que eu conheço que estuda fora do país, não importa onde, é a favor do Revalida, desde que sejam feitas as devidas revisões na prova", diz Mota.

Mota também considera que alguns pontos do projeto não ficaram claros.

"O que vai acontecer se o estudante brasileiro formado em outro país e aprovado no programa passar na prova do Revalida durante a validade do contrato? Creio que o governo deveria manter um diálogo com os brasileiros que estudam fora", completa.

Para os estudantes brasileiros que estudam em faculdades russas e não querem perder tempo e dinheiro até a revalidação do diploma, Anatole dá uma dica: deve-se começar a estudar ainda no quarto ano da faculdade para chegar bem preparado para a prova.


http://gazetarussa.com.br
Pesquísa


É importante (Informações importantes)
Links
Novidades (Novo)
Интерактивная карта образовательных организаций (учреждений), проводящих государственное тестирование по русскому языку как иностранному

Интерактивная карта образовательных учреждений Российской Федерации, осуществляющих довузовскую подготовку иностранных граждан на бюджетной основе

© 2013 O Ministério da Educação e Ciência da Federação Russa
Os conteúdos deste sítio podem ser utilizados desde que o sítio «Ensino na Rússia para os cidadãos estrangeiros» seja expressamente mencionado como fonte da informação. Tambem é obrigatório notificar o administrador do Sítio